Malvinas e a Integração Sul-Americana


Malvinas

 A decisão do MERCOSUL de expressar solidariedade à Argentina proibindo a atracação de navios com bandeira das Malvinas nos portos de Brasil, Uruguai e , obviamente, Argentina, remete a uma discussão estratégica mais ampla que bem deveria ser encarada pelos movimentos progressistas, já que confirma uma prioridade na política externa brasileira, uma nova realidade política e, também, um passo a mais na caminhada da integração da América do Sul.

Quando estourou a Guerra das Malvinas, em 1982, o Brasil, formalmente, declarou-se neutro. Mas, uma neutralidade imperfeita, que, favoreceu concretamente à Argentina. O Brasil forneceu ao vizinho ajuda material, até mesmo militar, com reposição de material bélico e aviões. Diante da opção dos EUA em não cumprir o Tratado Interamericano de Assistência Recíproca e aliar-se à OTAN contra a Argentina, esfumaram-se ilusões ainda existentes em círculos militares e, mais que isto, surgiu uma nova Hipótese de Guerra na ESG. Ou seja, “um conflito envolvendo o Brasil e um país do Hemisfério Norte Ocidental, muito mais poderoso econômica e militarmente, devendo o Brasil contar com os seus próprios recursos”, menciona-se em seus textos.

Na época, tudo ficou ainda mais claro diante da revelação de que os EUA pretendiam instalar uma base militar nas Ilhas Malvinas para fechar a chave do Atlântico e controlar a rota do petróleo que vem do Oriente Médio. A decisão de Cuba em oferecer tropas à Argentina para lutar contra o imperialismo em defesa das Malvinas, acrescentou novo na geopolítica já que o Brasil, desde 1975, estava em aliança tácita com a URSS e Cuba, sob protesto dos EUA,  no apoio a Independência de Angola, dirigida por Agostinho Neto.

À decisão recente do MERCOSUL deve-se acrescentar a existência de um Conselho Sul-Americano de Defesa no âmbito da Unasul, bem como o nascimento da Celac, sem presença ou interferência dos EUA. A crescente tensão mundial aconselha aos países que desejam uma real independência política organizar, igualmente, uma independência industrial e tecnológica, inclusive no campo bélico, ao contrário, da orientação imposta pela privataria tucana, quase levando o Brasil a um desarmamento unilateral. Gravíssimo, sob todas as circunstâncias, especialmente para países emergentes e com riqueza petroleira como o Brasil, Argentina ou  a Venezuela. As ameaças ao Irã são duramente pedagógicas.

 Beto Almeida,

Membro da Junta Diretiva da Telesur

Anúncios

Sobre midiacrucis

Rompendo o apartheid-midiático. Buscando informações que o PIG omite, distorce, oculta...desinforma.
Esse post foi publicado em América Latina, Brasil, Política, Soberania e marcado , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s