Brasil: 818 hospitais em obras #Saude


Saúde pública quer levar mais médicos para áreas remotas do País

A atração de médicos às regiões mais carentes é uma das ações que está sendo elaborada para suprir a falta de profissionais no Brasil e melhorar os serviços de saúde

 

Em reunião com ministros, governadores e prefeitos das principais cidades brasileiras nessa segunda-feira (24), em Brasília, a presidenta Dilma Rousseff disse que os municípios devem incentivar a ida de médicos para as áreas remotas e priorizar a contratação de profissionais do Brasil.

Portal BrasilGoverno federal vai levar mais médicos para áreas remotasAmpliar

  • Governo federal vai levar mais médicos para áreas remotas

Levar médicos para as regiões mais carentes é uma das ações do programa que está sendo elaborado pelo governo para suprir a falta de profissionais no Brasil e melhorar os serviços de saúde pública. Além da seleção de profissionais, a iniciativa prevê a expansão das vagas de medicina no País, principalmente nas áreas onde há poucas instituições; o aumento da oferta de residência médica, com foco nas áreas prioritárias da rede pública; e a melhoria da infraestrutura do Sistema Único de Saúde (SUS), para oferta de serviços de qualidade e melhor condições de trabalho.

O governo também estuda o formato do processo de seleção dos estrangeiros para preencherem as vagas restantes, mas já está certo que um dos critérios será a qualidade da formação. Só serão aceitos profissionais cujos diplomas são reconhecidos no país de origem. O Brasil não será o primeiro País a buscar médicos de fora para enfrentar a dificuldade de contratação no interior. A exemplo, no Brasil apenas 1,7% desses profissionais são estrangeiros, enquanto que, no Reino Unidos esse índice é 37%.

 

Ampliação

De acordo com a presidenta, o governo está elaborando o maior programa da história de ampliação de vagas em formação de medicina, com previsão de 11.947 novas vagas de graduação e 12 mil de residência.

Pela primeira vez, foram investidos R$ 2,1 bilhões para reforma, ampliação e construção de 14.671 Unidades Básicas de Saúde, promovendo melhoria do acesso e da qualidade da Atenção Primária. Para essas unidades, estão sendo adquiridos 4.991 equipamentos, correspondente ao montante de R$ 415 milhões.

O governo federal também está financiando melhorias na assistência hospitalar e nos serviços de urgência e emergência. Ao todo, 818 hospitais estão em obras, com aplicação de R$ 3,2 bilhões, incluindo a compra de 2.459 equipamentos. Para as Unidades de Pronto Atendimento (UPA), o Ministério da Saúde está disponibilizando R$ 1,4 bilhão para a realização de obras de 877 estabelecimentos.

Diagnóstico

O Brasil tem 1,8 médico para cada mil habitantes, índice abaixo de outros latino-americanos, como Argentina (3,2) e México (2). Para igualar-se à média de 2,7 médicos por mil habitantes registrada no Reino Unido, que também possui um sistema de saúde público de caráter universal, o Brasil precisaria ter hoje mais 168.424 médicos.

Este deficit, que é um dos principais gargalos para ampliar o atendimento no SUS, está sendo enfrentado com medidas para levar mais médicos para perto da população. Para suprir essa carência, o governo desenvolve diversas ações, como a concessão de desconto na dívida do Fies para o médico que atuar na atenção básica de municípios prioritários, e o Programa de Valorização do Profissional da Atenção Básica (Provab), que atrai médicos para áreas com carência desses profissionais com a oferta de bolsa federal no valor de R$ 8 mil, curso de pós-graduação em saúde da família e, após um ano, bônus de 10% nas provas de residência.

 

Fonte:
Ministério da Saúde

Anúncios

Sobre midiacrucis

Rompendo o apartheid-midiático. Buscando informações que o PIG omite, distorce, oculta...desinforma.
Esse post foi publicado em Brasil, Cuba, Dilma, Midia Venal, PIG, Política, PT, Saúde, SECOM e marcado , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

3 respostas para Brasil: 818 hospitais em obras #Saude

  1. Teddy Carlson disse:

    A presidenta Dilma Rousseff vetou artigos da Lei do Exercício Profissional dos Médicos, nº 12.842, conhecida como “Ato Médico”. Os vetos foram publicados hoje, 11, no D.O.U. A lei daria exclusividade aos médicos do diagnóstico de doenças, prescrição terapêuticas e gestão da saúde. Os vetos foram resultados da mobilização dos usuários do SUS – Sistema único de Saúde – e demais profissionais da área da saúde. A decisão da Presidenta da República atende as recomendações do Conselho Nacional de Saúde , que tem representatividade dos usuários, trabalhadores da saúde e demais seguimentos da sociedade.

  2. No Brasil a origem do PSF remonta criação do Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS) em 1991 , como parte do processo de reforma do setor da saúde, desde a Constituição , com intenção de aumentar a acessibilidade ao sistema de saúde e incrementar as ações de prevenção e promoção da saúde . Em 1994 o Ministério da Saúde , lançou o PSF como política nacional de atenção básica, com caráter organizativo e substitutivo, fazendo frente ao modelo tradicional de assistência primária baseada em profissionais médicos especialistas focais.

  3. Devemos respeitar a opinião da grande maioria do Povo!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s