O Golpe Comunista no Brasil e o Manifesto antipatriótico


Um golpe comunista no Brasil

por Urariano Mota do Direto da Redação

Recife (PE) – Karl Marx, o barbudo com previsões do demônio,  havia anunciado já em 1848: “Um fantasma ronda a Europa – o fantasma do comunismo”. Mas para que Europa? Os comunistas do Brasil, incansáveis e mais duradouros que as gerações do Fantasma da história em quadrinhos, voltaram à carga com esperteza enganadora.

Para conseguir o que desejam, se uniram numa santa aliança todas as potências da velha ideia socialista, dos petistas aos comunistas de todas as tendências, dos inocentes úteis aos radicais da França e aos policiais da fronteira. Numa frase: anunciam a contratação de 6.000 médicos cubanos para o Brasil. Leram bem: SEIS MIL agentes de Cuba,  6.000 guerrilheiros, 6.000 subversivos para agitar a insidiosa e alienígena ideologia entre os pobres e miseráveis de todas as raças no Brasil.

Duas conclusões decorrem desses fatos: 1ª) O comunismo já é reconhecido como uma força por todas as potências no poder, da Venezuela ao Brasil. 2ª) É tempo de os comunistas exporem diante do mundo inteiro seu modo de agir, seus objetivos e suas tendências, contrapondo um manifesto de esperteza do próprio partido ao fantasma do comunismo, que os revolucionários de primeiro de abril pensavam estar morto. 

Com este fim, reuniram-se em Brasília comunistas de várias nacionalidades e redigiram o manifesto antipatriótico seguinte, que será publicado em inglês, francês, alemão, italiano, flamengo e dinamarquês:

A história de todas as sociedades que existiram até nossos dias tem sido a história das lutas da classes. Pobres e ricos, homem livre e escravo, patrício e plebeu, senhor e servo, atendidos em hopitais de qualidade e indigentes, numa palavra, opressores e oprimidos, em constante oposição, têm vivido numa guerra ininterrupta, ora franca, ora disfarçada, uma guerra que terminou sempre, ou por uma transformação revolucionária da sociedade inteira, ou pela morte dos que nada têm, nem mesmo uma cafiaspirina para uma enxaqueca.

Por isso, estamos nos organizando para receber um maior número de médicos cubanos,  tendo em vista o déficit de profissionais de medicina de conscientização no Brasil. Trata-se de uma cooperação que tem um grande potencial de esclarecimento de direitos fundamentais dos pobres, e ao qual atribuímos um valor estratégico para o futuro social do Brasil.

A importação da melhor medicina socialista do mundo não pode ser um tabu. Nas primeiras épocas históricas, verificamos quase por toda parte uma completa divisão da sociedade em classes distintas, uma escala graduada de condições sociais. No Brasil, moradores da periferia e dos grandes centros. Na Roma antiga eram os patrícios, cavaleiros, plebeus, escravos; na Idade Média, senhores feudais, vassalos, mestres, oficiais e servos, e, em cada uma destas classes, gradações especiais. Até atingir o caboclo perdido na Amazônia.

A sociedade burguesa moderna, que brotou das ruínas da sociedade feudal, não aboliu os antagonismos de classes. Pelo contrário, no Brasil não fez senão substituir velhas classes, velhas condições de opressão, velhas formas de luta por outras novas. Entretanto, a nossa época, a época da burguesia, caracteriza-se por ter simplificado os antagonismos de classes. A sociedade divide-se cada vez mais em dois vastos campos opostos, em duas grandes classes diametralmente opostas: a burguesia e o proletariado, com saúde e sem saúde, respectivamente”.

Assim se manifestaram o ministro que leva o injusto nome de Patriota, patriota!, depois do encontro com o seu colega de ideologia,  o chanceler de Cuba Bruno Rodríguez. E com ele o seu cúmplice, o ministro da Saúde Alexandre Padilha,

Mas não esmoreceremos. A Associação Médica Brasileira vai acionar a Justiça e levar a classe, dos MÉDICOS, para as ruas, caso a ex-terrorista Dilma Rousseff importe médicos cubanos. O presidente da associação Floriano Cardoso afirmou que o governo será o “responsável direto por erros, complicações e mortes que poderão ocorrer caso médicos incompetentes passem a atender a população“.

A Venezuela de hoje não será o Brasil de amanhã. Se nos Estados Unidos 25% de médicos são estrangeiros, se na Inglaterra os alienígenas são 40%, se no Canadá os espiões chegam a 22%, e se na Austrália, 17%., aqui, não. No Brasil, os comunistas médicos ainda não chegam a 1 por cento! Disso não passarão.

(Modesta contribuição do colunista ao movimento surgido no Facebook, Golpe Comunista 2014 no Brasil, Clique aqui )

Sobre midiacrucis

Rompendo o apartheid-midiático. Buscando informações que o PIG omite, distorce, oculta...desinforma.
Esse post foi publicado em América Latina, Brasil, Capitalismo, Ciência, Cidadania, Cuba, Dilma, Direitos Humanos, Economia, Midia Venal, Midiacracia, neoliberalismo, PIG, Política, PT, Saúde, Soberania e marcado , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

4 respostas para O Golpe Comunista no Brasil e o Manifesto antipatriótico

  1. Donato disse:

    O comunismo não é bom eu sei, mas será que existe um pais que tem médicos piores do que o Brasil? O pobre é muito mal tratado. Não existe repeito nenhum.

    • midiacrucis disse:

      Bom é o capitalismo que promove a fome; impede o desenvolvimento; descaracteriza e mata a cultura dos povos; pasteuriza a educação; desinforma através de seu cabo de guerra (as mídias) interditando o debate; corrompe o judiciário, legislativo e executivo dos países criando a cultura do consumismo obsoletista com produtos e alimentos envenenados promovendo a doença que depois não quer tratar.

  2. Pingback: Aécio Neves: ‘O PT se contenta com a administração da pobreza’. Dá uma pena danada! | SCOMBROS

  3. Urariano Mota conseguiu reunir no artigo, um verdadeiro festival de estafadas e muito surradas besteiras entremeadas de comparações muito desajeitadas, demonstrando que não é a favor da vinda de 6.000 médicos cubanos para o Brasil porque lhe disseram que deveria escrever contra a contratação dos médicos cubanos que são comunistas e podem subverter a ordem social brasileira que se baseia em quem tem bom plano de saúde.
    Pensei sempre que o U. Mota era um indivíduo muito equilibrado, mas desta vez pendeu para o lado dos mais fortes que não querem os pobres com melhor saúde. Para eles, os ricos e poderosos, lugar de pobre é em fila de hospital, de farmácia, na delegacia de polícia e no cemitério.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s