Os NemNem


Embora seja um programa uruguaio, este é um fenômeno que ocorre em todos os países.

(O IPEA  fez o estudo entre 2000 e 2010)

Governo brasileiro, Universidades e Institutos deveriam se unir para estudar mais profundamente este fenômeno para que pudessem se adiantar e criar novas condições para estes jovens. Acima de tudo que tivessem um olhar diferenciado ao propor soluções e políticas públicas para essa juventude que aí está e que não tem nenhum interesse no sistema educacional existente….é preciso inovar!

Quando vejo conclusões como esta (abaixo em negrito), me dá um desânimo!! Nasci em meados da década de cinquenta e, com raras exceções, todos os professores eram enfadonhos, donos do saber e déspotas. O método de ensino e avaliação eram e continuam sendo os mesmos. Alunos são números, tabelas, estatísticas…não são seres humanos!

“É necessário políticas públicas que contribuam para uma inserção adequada desses jovens, seja na escola ou no mercado de trabalho”, conclui Ana Amélia Camarano.

Fonte:  Brasil de Fato 

Tudo se resume em mercado: de trabalho ou escola.  Será?!

Quantos jovens foram consultados para esta e outras pesquisas ou os adultos observam, leem estatísticas a moda antiga com ar paternalista por cima do pince-nez (sec. XV) tirando conclusões mirabolantes com a soberba acadêmica!?

Hippies – anos 60 – deram seu recado. Qual o recado dos NemNem?

Afinal o que quer o  jovem de hoje, que tipo de escola, de ensino, de família, de política e políticos, relacionamento ele quer?

***********

Son millones de jóvenes en todo el mundo que se encuentran dentro de este fenómeno denominado los “NI-NI” (que no estudian, ni trabajan).

En Uruguay entre el 20% y 25% de los adolescentes de entre 15 y 19 años está en esta categoría. Se estima que la cifra total es de 36.000 personas. Este sector que crece día a día son ­desafortunadamente presa fácil de la delincuencia organizada, el narcotráfico y la violencia.

Los principales detonantes de este problema son la falta de empleo, la deserción escolar y la baja calidad educativa. El 40% de los jóvenes no termina el Ciclo Básico. En este capítulo del programa “Recorridos Urbanos” hablaremos sobre este fenómeno y plantaremos preguntas como:

¿Cuándo surge y donde está el origen de este fenómeno? ¿Qué características tienen los NINI? ¿Cuál es el problema de fondo? ¿Una educación mediocre? ¿Salarios bajos? ¿Cómo frenar este problema? ¿De continuar en aumento, qué futuro tienen y cómo va a repercutir en la sociedad? ¿Se puede decir que muchos NINI son parte del mundo del delito? ¿Los NINI se sienten discriminados de la sociedad?

Para responder estas y otras preguntas contamos con unos invitados de excepción. >>>>> Bienvenidos al programa.

Sobre midiacrucis

Rompendo o apartheid-midiático. Buscando informações que o PIG omite, distorce, oculta...desinforma.
Esse post foi publicado em Brasil, Cidadania, Comunicação, Dilma, Direitos Humanos, Educação, Internet, Liberdade de expressão, neoliberalismo, Política, PT, Soberania e marcado , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s