Comunicação: Avançar sem mexer na Constituição?


Novamente, o Diretório Nacional do PT aprovou resolução em favor da luta pela regulamentação da mídia. Reafirma, com isto, a centralidade da comunicação na política e consciência sobre a atuação da mídia como partido principal da oposição conservadora. Resoluções são muito importantes, mas, no caso, não resolvem o problema do PT não ter maioria no Congresso Nacional, sem o que é impossível estabelecer regras democráticas para assegurar a pluralidade, a diversidade e da democracia na comunicação. Aliás, como está na Constituição desde 1988, sem que o campo progressista tivesse força para regulamentar o que lá já está.

em 05/03/2013 na Carta Maior 

A novidade da Resolução do PT está na convocação da militância para colher 1,5 milhão de assinaturas para um Projeto de Iniciativa Popular. Nos anos 90, a Fenaj também iniciou coleta de assinaturas, abandonada por falta de força social. Hoje, após o PT ter eleito três presidentes da república, a relação de forças alterou-se. Mas não ainda o suficiente dentro do Congresso, onde o PT – segundo alguns orixás – tem que ter “juízo” para não romper uma aliança com o PMDB, que, além de presidir as duas Casas, não tem interesse em pautar a regulamentação da mídia. Sozinho, o governo pode até enviar uma proposta, mas com poucas chances de aprovação nesta legislatura. As 90 entidades que aprovam a medi/da tampouco têm força social, isoladamente, para mudar esta relação de forças, especialmente em ano pré-eleitoral.

Experiência argentina
As 90 entidades que assinam o Manifesto do FNDC ainda não elaboraram uma unidade em torno de um programa que inclua alas empresariais não oligopólicas, como na Argentina, com o que se construiu um amplo campo de apoio em favor da nova Ley de Medios, finalmente assumida pela presidenta Cristina. Los hermanos discutiram a nova Ley de Medios até mesmo com as instituições militares. Vale lembrar que o ex-presidente chegou a prorrogar o prazo de validade da lei de mídia que vinha da ditadura. Mesmo assim, o movimento pela democratização da comunicação de lá evitou criticá-lo e romper com ele. Depois disso, Nestor outorgou uma antiga emissora da Marinha Argentina para a Associação de Madres Plaza de Mayo, hoje, a Rádio Madres, a primeira da esquerda do dial, diz o seu bordão…

Ou seja, sem um amplo arco de alianças e sem aliança clara e propositiva com o governo, a Ley de Medios jamais teria sido implementada na Argentina. Com tudo isto, ainda está parcialmente bloqueada na justiça portenha. Aqui, onde o PT não tem maioria parlamentar e o PMDB tem força parlamentar para travar o governo, é preciso pensar muito antes de lançar manifestos que, se não tiverem boa pontaria, podem dar a impressão de ruptura do movimento de democratização da mídia com o governo da presidenta Dilma, o que seria, evidentemente, um suicídio tolo. Certamente, seria mais produtivo organizar uma relação política com o setor empresarial de comunicação não oligopólico. Ou será que alguém imagina que sem maioria no Congresso, com o delicado cuidado por manter a frente de esquerda intacta e também a aliança com o PMDB, será possível “virar a mesa” e aprovar uma revolução midiática imediatamente?

Voz do Brasil: a regulamentação informativa ameaçada
Mas, há muito o que fazer agora, sem precisar mudar a Constituição. Defender, por exemplo, o programa Voz do Brasil, experiência bem sucedida de regulamentação informativa. Pode e deve ser melhorada, expandida em sua estrutura jornalística para todo os Estados, deixando de ser só a Voz de Brasília. Mas, entre os signatários do Manifesto do Forum Nacional de Democratização da Comunicação – que aliás silencia sobre a Voz do Brasil – há algumas vozes que coincidem com a proposta da ABERT para a flexibilização neoliberal do programa de rádio que leva a presença do poder público para todos os grotões do território nacional. Evidentemente, a ABERT quer estado mínimo e quer uma hora a mais para fazer sua rádio-baixaria consumista alienante. O PT , corretamente, retirou o projeto de lei de flexibilização neoliberal da pauta de votações da Câmara, no que foi apoiado por várias entidades, apesar do FNDC ainda não ter se posicionado oficialmente sobre o tema. Afinal, a Voz do Brasil é uma regulamentação informativa concreta, vigente, está no ar e ameaçada pelos bolsões neoliberais que a Dona Judith Brito, da ANJ, identifica, ela mesma, como partido de oposição. Qual a razão do silêncio do FNDC?

Oportunidades não aproveitadas
Revitalizar a Telebrás estatal, é outro tema essencial que consta da posição política emitida pelo Diretório Petista. Além disso, algo que também não depende de qualquer mudança, constitucional ou legislativa, é a revisão dos critérios democráticos e não-oligopolistas para a distribuição das verbas publicitárias, com o que se pode estimular a pluralidade e diversidade de veículos, de regiões e de modalidades comunicacionais, pois as mídias não-oligopólica, pública, universitária, comunitária, sindical, cooperativa, poderiam sim serem mais valorizadas, o que estaria em total sintonia com o discurso do próprio governo, por exemplo, em defesa da economia solidária ou da redução das disparidades regionais.

O tema tem sido tratado adequadamente em algumas palestras por José Dirceu, que reconhece ser a comunicação um daqueles itens em que, nos 10 anos do PT no governo, se avançou pouco. É como se fizéssemos todos uma espécie de balanço das oportunidades não aproveitadas, sendo, uma delas, logo no início do governo Lula, em 2003, quando havia grave crise financeira da Globo-Net, que pediu socorro ao BNDES. Uma das sugestões, não consideradas, era a de que o BNDES, ao emprestar, também buscasse se tornar parte do corpo acionário da empresa auxiliada. Aquela oportunidade pode ter passado, mas, como tem havido sucessivas falências e fechamento de jornais nos últimos anos, é preciso averiguar a possibilidade de algumas soluções criativas para não deixar passar novas oportunidades. O presidente Evo Morales cansou de ser apresentado pelos jornais da oligarquia boliviana como “narco-presidente”, e ajudou na montagem de um jornal público denominado Cambio, que, com apenas 3 anos de vida, tem tiragem igual à do mais antigo diário da Bolívia, o La Razon, com mais de 74 anos.

Jornal popular, nacional, de massas
Por fim, também sem mexer na Constituição, pode-se formar uma grande cooperativa, com milhares de sindicatos e entidades cotistas, para montar um jornal diário, nacional e popular, com tiragem inicial de 1 milhão exemplares, no mínimo. Ao invés da dispersão em milhares de jornais modestos, um jornal de massas, distribuído a preços módicos ou gratuitamente. O campo progressista, que elegeu 3 presidentes e colocou milhões de famílias para estudar, comer e vestir melhor, não poderia montar um jornal popular para elevar a leitura, a cultura e a consciência do nosso povo? Argentina, Bolívia, Equador e Bolívia já têm. O próprio José Dirceu tem dito que o PT deve defender os legados de Vargas, dos Tenentes e da Revolução de 30, entre outros. E, entre esses legados, encontram-se a Rádio Nacional, a Rádio Mauá – a emissora dos trabalhadores, o Instituto Nacional de Cinema Educativo. E, além disso, Vargas, montou o Última Hora.

Beto Almeida

Jornalista, Membro da Junta Diretiva da Telesur.

Sobre midiacrucis

Rompendo o apartheid-midiático. Buscando informações que o PIG omite, distorce, oculta...desinforma.
Esse post foi publicado em América Latina, Brasil, Caravana da Cidadania, Caravana da Comunicação, Censura, Cidadania, Comunicação, CPIdaMIDIA, Liberdade de expressão, Lula, Midiacracia, PIG, Política, PT, Soberania e marcado , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s