Um solução africana para Líbia


Uma solução africana para a Líbia
25/3/2011, Página 12, Buenos Aires. Ar.
http://www.pagina12.com.ar/diario/ultimas/20-164901-2011-03-25.html

Enquanto o francês Nicolás Sarkozy anunciava que França e Reino Unido preparavam uma “iniciativa” para resolver pela via “política e diplomática” a situação na Líbia, com autorização da ONU, o regime líbio anunciou sua disposição para “aplicar o mapa do caminho” [orig. Road Map] o plano apresentado pela União Africana (UA), que propõe imediata cessação das hostilidades e abertura de diálogo entre os líbios, como primeiro passo para uma “transição democrática”. Segundo autoridades líbias, morreram pelo menos 114 pessoas, com 445 feridos, desde o início dos bombardeios pela coalizão internacional.

“Estamos dispostos a aplicar o plano” proposto pela União Africana, inclusive “uma política que responda às aspirações do povo líbio de forma pacífica e democrática”, disseram os representantes do regime de Gadafi em reunão da UA em Adís Abeba, à qual não compareceu nenhum delegado dos ‘rebeldes’. Mas o que hoje se passa na Líbia é problema estritamente dos africanos e só pode ser resolvido pela União Africana” (24/3/2010, em http://au.int/en/dp/ps/sites/default/files/Press_release_-_Libya__eng__0.pdf ).
Antes, o presidente francês havia garantido que a coalizão manterá o controle político de todas as operações, apesar de a coordenação das ações militares passar para a OTAN, como já anunciado há dois dias. O primeiro-ministro da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, afirmou que seu país aceitará que a OTAN dirija as operações contra a Líbia, em associação com a Liga Árabe e a União Africana, “para evitar que se cometam os mesmos erros já cometidos no Iraque e no Afeganistão”.

Sarkozy, quem mais fortemente insistiu em que o CSONU aprovasse a intervenção militar no norte da África, anunciou que está prevista, para a reunião dos membros da coalizão que opera na Líbia marcada para 2ª-feira em Londres, a proposição de uma “via comum”.

“Haverá uma iniciativa franco-britânica para mostrar que a solução não é só militar, mas também política e diplomática” – disse o presidente francês em entrevista coletiva depois da reunião de chefes de estado e de governo da União Europeia, segundo informou a Agência EFE.

Na mesma coletiva, Sarkozy lembrou que a OTAN “não pode absorver” países não membros, como o Qatar e os Emiratos Árabes Unidos que participam do esforço internacional. “Não é possível. Faríamos um favor a Muammar Khadafi se disséssemos que é operação só da OTAN, que não há coalizão”, disse o presidente francês aos jornalistas. (…) Mas a França não convidou a Turquia para a reunião em Paris, que decidirá sobre os ataques à Líbia.
+++++++++++++++++++++++++++++++++++

 

Anúncios

Sobre midiacrucis

Rompendo o apartheid-midiático. Buscando informações que o PIG omite, distorce, oculta...desinforma.
Esse post foi publicado em Sem categoria e marcado , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s